jogos por assinatura
jogos por assinatura

Jogos por assinatura: vale a pena no PC?

Se você acompanhou a E3 2019, notou que um dos principais anúncios do Xbox – além do seu projeto Scarlett – foi seu serviço de jogos por assinatura, o Xbox Game Pass Ultimate.

Além de reunir os dois principais serviços para o console, o Ultimate também chegou com uma terceira opção de assinatura: o Game Pass para PC! Da mesma maneira que acontece no Game Pass original, aqui os jogadores que possuem Windows 10 terão acesso a um acervo de títulos.

Entre eles, exclusivos do Xbox que servem de carro-chefe para o console. Ou seja, você já pode jogar títulos recentes de franquias como Halo, Gears of War e Forza Horizon no computador.

Apesar de bastante chamativo, é importante mencionar que, em geral, jogos para computador costumam ser mais baratos que suas contrapartes para console. Mesmo quando não são, plataformas como a Steam ou Nuuvem costumam fazer promoções com desconto mais generosos que as lojas digitais de Microsoft, Sony e Nintendo.

Enquanto é fato que serviços como o Xbox Game Pass para consoles são uma grande vantagem, pode ser que o mesmo não possa ser dito para quem joga no computador.

Será que vale a pena ter um serviço de jogos por assinatura para PC?

Esse é o nosso objetivo com o artigo. Avaliar as vantagens e desvantagens do formato, considerando as particularidades de quem joga no computador.


Preços de assinaturas: qual o custo médio para quem assina?

Já que mencionamos esse fator logo na introdução, nada melhor do que aprofundá-lo em primeiro. Será que é financeiramente viável manter uma assinatura e parar de comprar jogos?

Primeiro, vamos a um valor médio das melhores assinaturas disponíveis para quem joga no computador. No Brasil, temos apenas o Game Pass para PC e o Origin Access, exclusivo para games da EA e indies selecionados pela produtora.

Enquanto o serviço da Microsoft custa R$ 13,99 mensais, o da EA cobra de seus usuários R$ 47,90 por três meses. Ou seja, por volta de R$ 15,97.

Você também pode optar por um serviço de assinatura não disponível em reais, como o Humble Monthly. Funcionando de maneira parecida ao Xbox Game Pass Ultimate, ele custa 12 dólares por mês, cerca de R$ 47.

Considerando apenas serviços disponíveis no Brasil, a média da assinatura mensal fica em R$ 14,97. Se incluirmos o Humble Monthly na conta, temos uma média de R$ 25,65 mensais.


Preços de jogos: como considerar?

Diferente das assinaturas, é um pouco mais difícil elaborar um preço médio para jogos. Para esse artigo, vamos contar dois tipos de jogadores: aqueles que compram ao menos um lançamento no mês ou quem costuma comprar um jogo AAA em promoção.

Para quem compra lançamentos, vamos considerar três jogos lançados no mês de julho e junho. Para quem compra games AAA apenas quando estão em promoção, vamos considerar títulos de grande porte que estão com, ao menos, 50% de desconto em lojas como Steam, Nuuvem ou Epic Games Store.

O primeiro é Total War: Three Kingdoms, que custa R$ 149,99. Em seguida vem Octopath Traveler, disponível por R$ 226,99. O último é o FPS da Bethesda, Wolfenstein: Youngblood, que custa R$ 115,00.

Por mês, um gamer que se dedica a comprar um lançamento gasta por volta de R$ 163,99.

Se não liga tanto por comprar games no lançamento e prefere esperar um tempo por promoções com ao menos 50% de desconto ,vamos ver três exemplos que encontramos no dia de fechamento deste artigo. Todos os três jogos também são AAA e estão pela metade do preço, mas foram lançados em 2018.

Primeiro, temos Monster Hunter World, custando R$ 64,99. Depois, temos Assassin’s Creed Odyssey por R$ 79,99. O terceiro jogo é Ni No Kuni II: Revenant Kingdom, atualmente com preço de R$ 79,95 na Nuuvem.

A média de gasto mensal que um jogador que compra games AAA apenas em promoção é de R$ 74,97.


Assinar ou montar um acervo digital?

Tanto comprar quanto assinar tem suas vantagens e desvantagens. Comprar é vantajoso para quem não quer aguentar o hype e normalmente só tem tempo suficiente no mês para se dedicar a um jogo por vez.

Se já tem um acervo e quer dar conta do seu backlog. O ideal também é comprar aos poucos, aproveitando promoções para pegar jogos de destaque por um preço melhor. Ainda assim, vale notar que ainda gasta menos que um serviço de assinatura.

A principal vantagem de comprar, no entanto, é o fato de você poder jogar o título que comprou quando quiser, sem a necessidade de pagar uma assinatura. Ficou sem dinheiro para comprar jogos esse mês? Sem problema, você ainda pode bater os games antigos.

Por outro lado, comprar é mais vantajoso para quem já tem um acervo. Se começou a jogar no PC recentemente e ainda está investindo em seu kit gamer, as assinaturas podem ser mais vantajosas.

Com centenas de jogos disponibilizados, você tem mais opções para escolher e testar seus favoritos. Vale notar que, ao menos no caso do Game Pass, assinantes tem mais desconto para comprar jogos do catálogo, não precisando mais assinar o serviço para jogá-lo.

A grande desvantagem fica por conta da necessidade de pagar todo mês para poder jogar. Caso não possa pagar a assinatura, você não terá mais acesso aos games enquanto não reestabelecer o serviço. Por outro lado, ter um serviço de jogos por assinatura custa menos que um lanche do McDonald’s por mês.

Assim como acontece com a Netflix, você não paga para ter, mas para poder usar.

Nosso veredito: comprar é melhor na maioria das vezes, mas assinar é interessante para testar novos jogos!

Já escolheu qual placa de vídeo irá te acompanhar nas sessões de jogatina?

Leia Mais
JULGAMENTO do Caso Apple vs Fortnite Já Tem Data Marcada