Microsoft Activision Blizzard

Microsoft submete novo acordo de compra da Activision Blizzard

A Microsoft está dando mais um passo em direção à aquisição da gigante dos jogos Activision Blizzard, ao submeter um novo acordo à Autoridade da Concorrência e dos Mercados do Reino Unido (CMA), após o bloqueio da proposta original.

Em abril a CMA havia rejeitado a oferta de compra da Activision Blizzard pela Microsoft, citando preocupações sobre o impacto no mercado de Cloud Gaming. No entanto, a Microsoft continuou buscando aprovações relevantes e avançou nos tribunais dos Estados Unidos para vencer a FTC (Comissão Federal de Comércio), além de garantir a luz verde da União Europeia e formar uma colaboração com a Sony para a distribuição dos jogos da Activision em seus consoles ao longo da próxima década.

Em julho, sinais de interesse mútuo de negociação entre a Microsoft e a CMA começaram a emergir, sugerindo que ambas as partes estavam dispostas a alcançar um consenso para viabilizar o acordo. A resposta da Microsoft às preocupações da CMA consistiu na reformulação da proposta de compra da Activision Blizzard. Uma parte crucial desse novo acordo envolve uma parceria com a Ubisoft para a venda dos direitos de Cloud Streaming de todos os jogos da Activision Blizzard, tanto atuais quanto futuros, para PC e consoles. No entanto, esse acordo exclui o Espaço Econômico Europeu. Esses direitos terão validade perpétua.

Brad Smith, presidente da Microsoft, explicou: “Como resultado do acordo com a Ubisoft, a Microsoft acredita que sua proposta de aquisição da Activision Blizzard apresenta uma transação substancialmente diferente sob a lei do Reino Unido do que a transação que a Microsoft submeteu à consideração da CMA em 2022.” disse o executivo.

“A Microsoft notificou hoje a transação reestruturada à CMA e prevê que os processos de revisão do CMA possam ser concluídos antes que a extensão de 90 dias em seu contrato de aquisição com a Activision Blizzard expire em 18 de outubro.”

Brad Smith, presidente da Microsoft

Uma mudança significativa que o novo acordo traz é que a Microsoft não terá exclusividade para lançar os jogos da Activision Blizzard na Xbox Cloud Gaming, nem controle exclusivo sobre os termos de licenciamento desses jogos em serviços concorrentes. Isso abre a possibilidade para que os jogos da Activision Blizzard também estejam disponíveis nas consoles da Sony e Nintendo por meio de serviços de Cloud Gaming. A Ubisoft, por sua vez, terá o direito de comercializar a distribuição dos jogos através de Cloud Streaming, inclusive usando a plataforma da própria Microsoft.

A CEO da CMA, Sarah Cardell, declarou: “Vamos agora considerar este acordo no âmbito de uma nova investigação de Fase 1. Avaliaremos cuidadosa e objetivamente os pormenores do acordo reestruturado e o seu impacto na concorrência, incluindo à luz das observações de terceiros.”

“Acreditamos que este desenvolvimento é positivo para os jogadores, para a progressão do mercado de streaming de jogos na nuvem e para o crescimento da nossa indústria”, acrescentou Smith. “E à medida que continuamos a navegar no processo de revisão com a CMA, continuamos tão empenhados como sempre em trazer os incríveis benefícios da aquisição para os jogadores, desenvolvedores e a indústria”, finalizou o executivo.

Este movimento também é positivamente recebido pela Ubisoft, que verá seus conteúdos expandirem-se ainda mais através de seu serviço de subscrição Ubisoft+. Isso permitirá que a Ubisoft licencie o acesso ao streaming do catálogo de jogos da Activision Blizzard, incluindo futuros lançamentos, a várias empresas de Cloud Gaming, fornecedores de serviços e fabricantes de consoles.

A CMA é a última etapa regulatória antes que a Microsoft possa finalizar a compra da Activision Blizzard. A investigação de Fase 1 pela CMA iniciou em 22 de agosto e tem prazo limite até 18 de outubro, embora a Microsoft esteja confiante de que esse processo possa ser concluído antes dessa data.

Fonte: IGN Portugal

Leia Mais
Nvidia anuncia RTX 3060 na CES 2021