REVIEW GEIL EVO X II AMD Edition 3600CL18

Fala galera, beleza?

Nesse review irei analisar mais um kit de memória da Geil de uma série denominada “EVO X II AMD Edition” na qual oferece modelos que vão desde os 2400MHz até 4000MHz e como o próprio nome já diz, são voltados especialmente para os CPUs AMD. O kit em questão é composto de dois módulos 3600MHz 18-22-22-42 1.35V, portanto, dual channel.

A embalagem apresenta clara identificação da série do produto, especificações e cumpre o seu papel de proteger a memória contra danos. Os dois pentes de memória vem protegidos em blisters plástico separados dentro da caixa, conforme pode ser visto na galeria abaixo.

Para essa série, a Geil optou por utilizar um dissipador de alumínio que é oferecido em duas cores, “gun metal gray” (a amostra que recebi) ou “frost white”, com iluminação RGB e que faz contato por inteiro com os chips de memória. É importante salientar que esses dissipadores são um tanto quanto altos, com pouco mais de 55mm de altura medidos desde os contatos, o que implica atenção para quem pretende usar esses módulos juntamente a um air cooler robusto.

Ao olhar no Thaiphoon Burner, é possível ver que os chips utilizados são os Samsung B-Die utilizando pcb “rev.A2”, algo muito semelhante ao utilizado nas demais memórias Geil com chips Samsung B-Die que testei recentemente, entretanto, será que esse kit utiliza chips B-Die melhor binados com as mesmas caracteristicas que fizeram a fama desses CIs ou será que mais uma vez?

Entretanto existem “reports” do Thaiphoon referente a Geil Evo X II 3600CL18 com exatamente o mesmo código do modelo analisado nesse review (gaexsy416gb3600c18bdc), constando chips Hynix A-Die ao invés de Samsung B-Die como foi com o exemplar que testei aqui, o que indica que o fabricante pode estar usando chips distintos dentro da mesma linha ou mesmo para o mesmo part number. Se realmente for esse o caso, devo deixar claro que não considero essa uma boa prática, especialmente porque não existe nada que indique de antemão qual o chip usado, de todo modo, esse artigo, seus testes e conclusões se referem especificamente a amostra que recebi, que como pode ser visto na lista do hardware utilizado, foi cedida pela Terabyte e trata-se de uma amostra aleatória que estava disponível em estoque no momento, portanto, os resultados aqui apresentados representam o que as Geil Evo X II 3600CL18 com chips Samsung B-Die podem fazer.

Por fim, caso alguém venha a se interessar, nesse link pode ser encontrada a página do produto no site do fabricante. Então vamos aos testes e as configurações utilizadas!

Configurações utilizadas

CPU:AMD Ryzen 7 3800X (obrigado AMD!)

MOBO: ASUS ROG Crosshair VII Hero (UEFI 2901)

RAM: 2x8GB Geil Evo X II AMD Edition 3600CL18 (Obrigado Terabyteshop!)

GPU: ASRock RX 5700XT Challenger (Obrigado Terabyteshop!)

PSU: Antec Quattro 1200W

COOLER: WC Custom

SSD: Crucial BX300 120GB

Software: Windows 10 1903 x64, AMD Ryzen Master, TM5 0.12 1usmus config v3, AIDA64 6.00.5100 e Geekbench 3.4.2.

Objetivo e metodologia dos testes: Descobrir qual o limite da Geil Evo X II usando um CPU Ryzen de terceira geração, uma boa configuração estável para uso diário e se possível, uma para benchmarks competitivos. Para isso, separei os resultados em três grupos:

1) XMP: Que basicamente é o máximo que consegui obter apenas carregando o perfil XMP e subindo clock/tensão, parando no “sweet spot” de 3733MHz 1:1 com FCLK @ 1866MHz que é considerado a opção mais balanceada/fácil de se obter bons números usando o Ryzen de terceira geração, claro, isso se a memória que estiver sendo testada for capaz de chegar lá. 😉

A vantagem da abordagem 1 é que ela é extremamente simples e não demanda qualquer ajuste do usuário no que diz respeito aos timings, entretanto, você paga o preço da simplicidade com menor desempenho pois ai os ajustes são feitos automaticamente pela placa-mãe e podem ser bastante relaxados.

2) 24/7 com ajuste fino: Aqui foram feitos ajustes manuais em todos os timings possíveis visando obter o melhor resultado possível com viabilidade para uso diariamente.

3) Benchmark e OC Extremo: O máximo que possível de se obter para uso em benchmarks competitivos e em alguns casos, com overclock extremo.

Nos casos 1 e 2, utilizei o TM5 0.12 1usmus config v3 para verificar estabilidade e o Geekbench 3 para verificar o desempenho dos diferentes ajustes em um benchmark que é extremamente dependente da performance de memória.

Maiores detalhes de como foram conduzidos os testes, metodologia e como esses software foram utilizados estão descritos no texto que acompanham os resultados.

XMP

Usando apenas as configurações do XMP foi possível chegar nos 3733MHz com estabilidade no TM5 usando apenas 1.35V, bastando carregar o XMP e setar a referida frequência. Abaixo trago um screenshot do Ryzen Master mostrando como ficou os timings fazendo dessa forma. Certamente deve ser possível ir além com essa abordagem, porém, como a ideia aqui é não ficar se debatendo com ajustes e fazer as coisas da maneira mais simples possível, optei por parar nos 3733MHz. 🙂

24/7 com ajuste fino

Após algum trabalho ajustando os timings manualmente, tomando por base aqueles ajustes usados no review das Patriot Viper Steel 4400CL19, foi possível obter 3733MHz estáveis usando timings primários de 16-16-16-36 com apenas 1.40625V (setados na bios da placa), o que indica que essas memórias usam chips Samsung B-Die de qualidade bastante aceitável, sendo superiores a aqueles utilizados nos modelos 3000/3200 que testei recentemente. Evidentemente que ainda existe margem para melhorar alguns timings, como por exemplo o tRFC, entretanto, os Samsung B-Die costumam ser um tanto sensíveis a temperatura, o que pode ser um problema para estabilidade em um teste como o TM5 se considerarmos um cenário com temperatura ambiente mais elevada e fluxo de ar limitado sobre as memórias, portanto, por essa razão optei por ser um tanto quanto conservador nos ajustes, usando tRFC = tRC*8.

Na galeria abaixo, é possível ver todos os timings e demais ajustes (RTL e CAD) utilizados nessa configuração:

E aqui, os resultados no benchmark do AIDA64, mostrando o desempenho para cada um desses ajustes:

Benchmark e OC competitivo

Antes de discorrer os resultados voltados ao uso em benchmarks competitivos, é necessário deixar claro que para obter os números abaixo, a memória máxima do sistema foi limitada em cerca de 3.5GB no msconfig sendo esse procedimento obrigatório enquanto usando CL12 e frequência de operação acima dos 3466MHz nas memórias equipadas com chips Samsung B-Die, pois caso contrário, não existirá estabilidade sequer para carregar o SO. Esses “passos” independem da plataforma, sendo ele necessário tanto nos AMD quanto nos Intel caso ideia seja rodar benchmarks nas supracitadas condições.

Sobre esses resultados, por se tratar de uma configuração voltada a obter os melhores resultados possíveis em benchmarks, não há necessidade de total estabilidade e muito menos de ser prudente com o vdimm, que no caso desse kit em especifico, escalou com até máximo 1.965V, apresentando instabilidades acima disso. Usando essa tensão, foi possível completar o Geekbench 3 @ 4066MHz usando timings 12-11-11-24 com tRFC @ 192, o que é uma configuração bastante agressiva e no mesmo nível dos demais kits “entusiastas” que tenho aqui, a saber, G.Skill Flare X 3200CL14 e Patriot Viper Steel 4400CL19. Ainda foi possível carregar o SO @ 4133MHz com esses mesmos timings, porém, não houve estabilidade para completar o benchmark.

Nesse outro gráfico, compilei os resultados de memória multithread do Geekbench 3 comparando os resultados obtidos em cada uma das diferentes configurações acima abordadas incluindo a configuração agressiva para benchmarks e é visível o impacto da memória nesse “workload” e talvez em outros como 3dmarks e afins. Aqui a frequência do CPU foi travada em 4400MHz com 1.375V

Conclusão

As Geil Evo X II AMD Edition 3600CL18 mostraram ao que vieram e ao contrário dos demais kits Samsung B-Die de “baixo custo” que testei recentemente, as Evo X II apresentaram resultados absolutamente respeitáveis no que diz respeito a overclock, dentro daquilo que se espera das memórias equipadas com esses chips, sendo capazes de atingir 3733MHz com mínimo esforço, indo além com ajustes manuais e se mostrando até mesmo uma boa opção para uso em benchmarks competitivos.

Do ponto de vista do custo-benefício (o famoso CxB), até o momento da publicação desse review, essa memória estava indisponível na Terabyte sendo que o último preço praticado foi de R$609,00 (11/12/2019), e por esse preço, não existe a menor dúvida de que essa memória é uma das melhores, senão a melhor, opção disponível nessa faixa de preço, entregando tanto na parte estética com o seu dissipador robusto e iluminação RGB, quanto no desempenho, sendo essa uma alternativa séria até mesmo para uso mais agressivo, portanto, esse sem dúvidas é um produto mais do que recomendado! 🙂

E é isso! Dúvidas, perguntas e sugestões são bem-vindas! Até a próxima!

Leia Mais
GEFORCE GTX 750 TI em 2020 | ANÁLISE E SUGESTÕES